“No meu Mundo d’ Ovos”
No mundo em que vivemos, não encontro respostas, apenas perguntas.
O que é a realidade? Como nos conectamos com esta realidade e com as pessoas que vivem neste mundo? E acima de tudo, como existimos, juntos, neste esquife de tempo?
Minha obra é sobre quem sou, à procura de sinais de entendimento, em busca de conexões com o mundo.
As imagens representadas sugerem como a realidade se desdobra em diferentes caminhos, às vezes mostrando, outras vezes escondendo a verdade da nossa existência, apenas nos dando uma espécie de sentimento de compreensão, mas não de real entendimento.
Como um haicai na tradição do zen-budismo japonês do velho samurai: tocar a existência numa sequência de palavras cuidadosamente selecionadas, 5-7-5.
Para expressar minhas ideias, uso imagens que simbolizam seres e a forma como eles se relacionam entre si numa espécie de mundo metafísico. O ovo é o elemento em relação com o seu entorno, em relação ao outro ser, encerrado em si mesmo, observando o outro … o mundo … através de estreitas aberturas.

—  Adri Schnater

ADRI SCHNATER
// @adrischnater

“Natureza Inqueitante”
No início dos anos 70, ainda adolescente, inicia desenhos e pinturas dentro do vocabulário que gradualmente iria definir a sua obra. Nesta fase, até 1983, surge a representação de espaços vazios em que as figuras parecem levitar.
Em 1984, termina o mestrado em Fine Arts and Art & Culture na ‘Academia Minerva’ em Groningen, a mais conceituada escola holandesa, herdeira das técnicas de pintura a óleo flamenga dos séculos XVII, com a tese sobre a influência do pensamento de Nietzsche na obra de pintores do movimento italiano “Pintura Metafísica” do início do século XX, como, Giorgio de Chirico, Alberto Savinio e Carlo Carrà. Não é de estranhar que esse estudo seja muito profícuo, que levantará várias questões e será o leitmotiv de grande parte da sua obra.
De 1985 a 2003 é convidado a lecionar na University of Professional Education ‘Windesheim’, em Zwolle, na Faculdade de Estudos Sociais como responsável nas áreas de Artes Plásticas, Oficinas, Fotografia e Vídeo no campo de Terapia pela Arte. Nesta altura, instala o seu primeiro atelier.
Nesse período, pinta a óleo sobre Masonite com pinceladas largas, rápidas, bastante expressivas e cores muito contrastantes. Aparecem figuras ovulares em forma de máscaras. Esse elemento marcará obcessivamente o seu trabalho em ambientes oníricos envoltos em mistério e erotismo.
Em 2001 viaja em negócios para a China e em 2003, em Pequim, começa uma nova fase de pinturas, agora em grandes formatos, realizados em ateliers de vários artistas amigos. Nesse período, os elementos ovulares ganham vida, transformam-se gradualmente em rostos, mas ainda com representação bidimensional. O emprego de sinalética é também característica desta fase.
Em 2006 é convidado a lecionar na Central Academy of Fine Arts (CAFA) em Pequim.
Devido a situações familiares, volta à Holanda em 2007 e é convidado a trabalhar como professor no “Lyceum de Grundel” em Hengelo.
Apenas em 2011, com estúdio em Enchede, volta a pintar. A pincelada é mais contida, com efeito de sfumato. Os elementos tornam-se mais tridimensionais, esculturais. Em algumas composições, o uso da perspetiva acentuada cria um sentimento de pressão e asfixia, em que os objetos e figuras isolam-se inscrevendo-se em espaços fechados.
Em 2018 viaja para Portugal e cria o estúdio ART42 com Margareth Lacerda.
As formas tornam-se efetivamente tridimensionais. Os objetos pairam em espaços mais abertos, infinitos e misteriosos, criando relações enigmáticas entre si. Em paralelo às obras com figuras ovulares, produz uma série de composições de sinais e fragmentos de ossos que parecem conter um código de comunicação. O emprego do contraste de cores ricas e profundas, e o efeito de luzes e de sombras sedutoras, criam um ambiente de inquietante estranheza.
As imagens representam objetos e entidades reais, mas toda a narrativa mostra-nos que a realidade tem já em si toda uma carga de mistério. O intuito da pintura de Adri Schnater é de captar a natureza inquietante do quotidiano, para representar uma imagem desconcertante da realidade.

— Margareth C Lacerda

QUEM?
Adri Schnater

O QUÊ?
Exposição de pintura

PARA QUEM?
Público geral

CURADORIA
Inês Flor

QUANDO?
10 abril a 9 maio, 2021
Terça-feira a Sábado, das 11h-19h

ONDE?
Cava.Galeria
Rua Dom Duarte, n.º53

CONTACTO
cava.galeria@gmail.com

INAUGURAÇÃO COM PERFORMANCE
Francisco Oliveira

ONDE?
Direto no Instagram

QUANDO?
10 abril, 2021